Ensinando a Palavra de Deus aos nossos filhos

Greuze, Jean-Baptiste, 1725-1805; A Father Reading the Bible to His Family

Greuze, Jean-Baptiste. ‘A Father Reading the Bible to His Family’ – Ferens Art Gallery. Imagem do Pinterest.

4 Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR.
5 Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.
6 Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração;
7 tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.
8 Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos.
9 E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.
Deuteronômio 6.4-9

Esse é um mandamento aos pais, não somente aos pais do povo de Israel, mas ao povo da Aliança, até hoje. Como pais, Deus deu a VOCÊS a responsabilidade de ensinar seus filhos no Caminho em que eles devem andar, conduzindo-os pelos caminhos da Verdade. Essa não é uma responsabilidade da sua igreja, ou da escola, nem dos desenhos que seu filho assiste. Mas sua, enquanto pai e mãe. E tem responsabilidade mais prazerosa? Tem responsabilidade que dê frutos mais doces do que educar nossas crianças conforme a Palavra de Deus nos manda? 🙂

Nesse vídeo, temos um menino, bem novinho, já aprendendo as verdades bíblias através do ensino do Breve Catecismo. Esse documento de fé é um dos que você, pai, mãe, pode usar no seu culto doméstico ou na sua devocional com seus filhos. São perguntas curtas, com respostas também curtas, para serem memorizadas pelas crianças. É um documento recheado de teologia sólida, para formar um crente sadio e maduro nas Escrituras.

Se você, ao ver o vídeo, está se perguntando como irá ensinar seu filho o Breve Catecismo, deixo aqui dicas práticas, recomendadas pelo Reverendo Ewerton Tokashiki, em seu blog:  Ensinando o Breve Catecismo de Westminster para crianças.

Que o Senhor desperte os pais, ajudando-os a cumprir aquilo que Ele deseja.

Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.
Provérbios 22.6

 

 

GHEC 2016 – Educação domiciliar: É um direito! – Textus Inversus

Um texto maravilhoso de uma amiga do blog, Gabriela Costa. Obrigada por sua contribuição sobre a Global Home Education Conference 2016! 😀

“Eu não fui para a escola. Ficar em casa com os pais não significa ficar preso dentro em casa, mas ir para o mundo com sua diferença.” André Stern

Nos dias 8 a 12 de março, foi realizada no Rio de Janeiro, Brasil, a 2ª Conferência Global de Educação Domiciliar (Global Home Education Conference – GHEC 2016).

A primeira conferência global ocorreu em 2012, em Berlim, na Alemanha, e a próxima…tudo indica que  acontecerá, em 2018, em terras russas (…)

Uma das histórias que passo a contar nos traz a vida de um casal com seus lindos seis filhos. No entanto, após o nascimento do quarto filho, o pai daquela família, digna de um porta-retrato americano, foi diagnosticado com uma doença degenerativa. Em fotos, a mãe compartilhava conosco o crescimento dos filhos, a debilidade progressiva do marido e a continuidade integral do homeschooling, incluindo em seu “currículo” os cuidados diários dos filhos com seu pai, que depois de alguns anos veio a falecer deixando como fruto do seu lindo trabalho seis maravilhosas sementes. Antes de cidadãos, aquela família preocupou-se em moldar em seus filhos o caráter cristão, desenvolvendo neles o serviço ao próximo.

Leia mais em: GHEC 2016 – Educação domiciliar: É um direito!

Educação domiciliar: que papo é esse?

homeschool

Educação domiciliar também é, muitas vezes, chamada pelo termo em inglês Homeschooling. Mas o que isso significa?
Em primeiro lugar se faz necessário entender que o Homeschooling é uma realidade em vários países do mundo, como Estados Unidos, Áustria, Bélgica, Canadá, Austrália, França, Noruega, Portugal, Rússia, Itália, Nova Zelândia, dentre outros. Aqui no Brasil esse movimento tem crescido bem rapidamente: em 2010, quando a Associação Nacional de Educação Domiciliar (ANED) foi criada, havia cerca de 800 famílias envolvidas na área. Hoje, já são 4 mil, segundo pesquisa de fevereiro de 2016.

Ressalva feita, vamos ao que interessa: o que é esse tal de Homeschooling? Em primeiro lugar, quando falamos disso estamos falando de uma modalidade de educação, onde os principais responsáveis pelo processo de aprendizagem são os próprios pais da criança e o ambiente da educação não é uma instituição (a escola), mas o seio familiar.

Quando dizemos que o Homeschooling supõe não matricular os filhos na escola, pessoas podem dizer: “ah, então a criança fica trancada dentro de casa?”. Não, ela não fica. Há um mundo de conhecimento em museus, parques, centros culturais, no parquinho, na casa da avó, na casa do amiguinho, em uma viagem, etc. Seio familiar é tão somente o não delegar a educação a nenhuma instituição, o que não significa se restringir à sua própria casa 365 dias por ano.

“Mas, Isabela, como os pais podem ensinar seus filhos se eles não fizeram Pedagogia?”. Bom, primeiro preciso dizer que a habilidade para ensinar não está restrita a quem cursa Pedagogia ou similares. Em segundo lugar é necessário saber da infinidade de recursos disponíveis, gratuitamente, na Internet – lembrando que não existem só Facebook e Instagram na rede! Como um dos milhares de exemplos há o Khan Academy, ONG educacional com mais de 3800 vídeos de matemática, física, finanças, astronomia, dentre outras matérias. Em outro post falarei sobre dicas de sites e materiais.

Homeschooling, portanto, é uma alternativa à escola, onde os filhos aprendem supervisionados por seus pais (às vezes se faz a opção de contratar um professor particular para ensinar alguma matéria). Também podem ser aplicados vários métodos, desde o ‘Tradicional’, segundo os Padrões Curriculares Nacionais até o Método Clássico.

Vejam os três princípios fundamentais da educação, segundo a Doutrina Europeia:

  1. Liberdade de educação: não pode ser imposto um método, uma pedagogia ou uma instituição para realizar a educação. Cada pessoa e cada família deve ter a máxima liberdade possível para escolher como será realizada a educação.
  2. In loco parentis: a educação é sempre dada pelos pais ou por pessoas que atuam em nome deles. Caso os pais decidam matricular os filhos na escola, esta deve atuar sempre em nome deles e nos termos por eles definidos. Nem o Estado nem a escola tem autonomia para determinar como as crianças devem ser educadas.
  3. Regulação mínima: o Estado somente pode exigir o cumprimento do núcleo essencial do processo educacional – a princípio, leitura, escrita, aritmética e noções básicas de cidadania. O Estado não pode exigir das famílias e das escolas privadas um nível maior do que consegue prover por meio das escolas públicas.

(extraído da página de Alexandre Magno, procurador do Banco Central do Brasil e da diretoria da ANED).

Os pais homeschoolers lutam pela liberdade e pelo direito de escolher a melhor maneira de educar os seus filhos. Querem exercer aquilo que é um direito humano inalienável: direito de educar seus filhos em casa. O assunto é extenso e não foi encerrado. É apenas uma introdução, uma ideia desse movimento que tem crescido no Brasil.

fonte: http://www.aned.org.br/portal/ e Alexandre Magno (página pessoal do Facebook)

 

Bem vindas!

 

Olá! familiaDeixa eu te fazer uma pergunta: Qual é a sua herança? Dinheiro, casas, carros, bens materiais? Conhecimento? Cultura? Bom, se olharmos para o Salmo 127.3, vemos a resposta: “Herança do SENHOR são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão”. São eles nossa herança, herança eterna. Sendo assim, e utilizando a Herança Reformada como guia, no intuito de contribuir para a edificação dos crentes no Brasil, surgiu a ideia de criar esse espaço.

Este será um espaço para compartilhar textos sobre vida e educação cristãs. Trataremos mais especificamente de assuntos do âmbito feminino, mas se você é homem é muito bem vindo também! Além disso, esse espaço será dedicado a assuntos concernentes à Educação Domiciliar, a partir da herança Protestante Reformada. Temos muito a aprender nesse aspecto aqui no nosso país.

Soli Deo Gloria.