Como conciliar a ED com os cuidados do lar? – Dicas

Você já deve ter se perguntado como uma pessoa conseguiria dar conta de cuidar da casa, dos filhos, da educação, do marido e de si, certo? Pois bem, é possível, mesmo que seja difícil ou pareça impossível para você.

Com o intuito de te ajudar e acalmar a ansiedade, compartilho com vocês algumas dicas que encontrei no Geh Space – Valorizando o conhecimento. Essas são dicas para quem é ou gosta de ser disciplinada para facilitar o andamento das coisas. Elas não são regras universais, nem são aplicáveis à todas as mulheres ou homeschoolers. São somente algumas sugestões – não se sinta pressionada a seguir essas orientações, nem se frustre se tentar e não conseguir! Mas creio ser possível extrair muita coisa útil dessas linhas.

Boa leitura e #força! 😀

Como organizar o seu tempo?

Começando pelo óbvio: se um dia tem 24 horas e, no mínimo, você precisa de 8 horas de sono para manter-se saudável, restam 16 horas para administrar a educação dos filhos, as leituras pessoais, o cuidado com o lar e a família, atividade física e outras tarefas diárias.

Assim, o primeiro passo é planejar sua agenda diária. A seguir, veremos como você pode tornar seus dias mais eficientes.

1) Definir um período para os estudos

Uma sugestão que facilita muito a utilização do tempo é definir um período fixo do dia para dedicar à educação formal dos filhos. Nós preferimos o período da manhã. Despertamos às 7 da manhã, tomamos um café da manhã reforçado, fazemos a higiene pessoal e, então, geralmente por volta das 8 horas iniciamos o período de estudos.

2) Tenha um cardápio pré-definido

Você deve estar se perguntando: mas como darei conta de educar os meus filhos, fazer o almoço, cuidar da casa e de todos outros detalhes que exigem atenção diária?

O primeiro passo é definir um cardápio mensal para todas as refeições: café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Tenha esse cardápio definido e programado antes mesmo de fazer suas compras no supermercado. Quando você já sabe com antecedência tudo o de que irá precisar, você pode fazer compras com maior eficiência, gastando menos tempo e, geralmente, muito menos dinheiro!

No dia de fazer as compras do supermercado, se os seus filhos já estiverem crescidinhos, você pode solicitar a ajuda das crianças na preparação da lista de compras. Eles podem, por exemplo, verificar o estoque de certos itens como açúcar, sal, leite em pó e achocolatados.

Frutas, legumes, carnes e pães podem ser congelados e separados em porções individuais para cada refeição. Para facilitar ainda mais o preparo das refeições, pique ou fatie as carnes, separando-as em embalagens adequadas antes do congelamento. Com frutas congeladas, você poderá preparar deliciosas e nutritivas sobremesas, sucos e vitaminas durante todo o mês.

Para preparar saladas, reserve uma compra semanal para aquisição de  verduras e legumes frescos.

Se você sabe assar pães caseiros, corte-os em fatias antes de congelá-los. Massas de pizza e nhoques também podem ser congelados, servindo como “refeição curinga” naqueles dias em que um problema imprevisível mande todo o seu planejamento por água abaixo – acontece com todo mundo! Essas eventualidades não são tão raras assim, por exemplo, não podemos prever quando uma das crianças ficará doente, obrigando-a a interromper a sua programação para levá-la ao médico.

Um eletrodoméstico que auxilia a praticidade da cozinha e poupa muito é a máquina lava-louças. Sim, além do freezer e do micro-ondas, automatizar a limpeza das louças também traz uma grande economia de tempo. Se você puder adquirir uma máquina de lavar louças, você verá quanto tempo precioso você ganhará a mais em seu dia para dedicar à educação de seus filhos!

Eu tenho um aparelho de 9 serviços, que inclusive lava e dá brilho em panelas e assadeiras. A lava-louças de 9 serviços é um tamanho adequado à minha família de 4 pessoas mas famílias mais numerosas, normalmente, são mais bem atendidas por um aparelho tamanho 12 serviços. Caso você precise economizar, um aparelho de 6 serviços já permite um bom ganho de tempo, pois você reduzirá muito a necessidade de lavar louças manualmente.

3) Organização da casa

Definir horários fixos para lavar a louça, varrer a casa, organizar o que estiver fora do lugar também torna mais eficiente a administração do seu tempo. Não se esqueça de que tarefas simples como pôr as roupas sujas no cesto, arrumar a própria cama e guardar os brinquedos são atividades que seus filhos podem ajudá-la a realizar. O importante é ter em mente que, com filhos em casa, provavelmente você não terá uma casa perfeita em que tudo estará sempre no lugar. Por isso, estabeleça prioridades. Planeje para investir mais tempo e dedicação somente às tarefas mais importantes e adote soluções mais rápidas e práticas para as coisas menos importantes.

Já para a limpeza pesada da casa e a limpeza das roupas, uma boa sugestão é definir dois ou três dias da semana para executar essa tarefa.

Ambiente propício aos estudos

Seja na mesa de jantar, na sala de estar, no quarto ou em qualquer outro cômodo da casa, o ambiente em que as crianças forem estudar precisa ser bem iluminado, prático e organizado.

Uma bancada, mesa ou escrivaninha é um item indispensável ao lado de uma estante para organizar os materiais de estudos e livros. Na estante, você deve organizar os conteúdos em pastas de atividades separadas por criança, caso você tenha mais de um filho.

Ao término de cada atividade, você pode ensinar a seus filhos a guardar o material já utilizado e pegar o material que vão empregar na atividade seguinte. Assim, ao término do período de estudos, o ambiente estará todo organizado. Dependendo do espaço reservado aos estudos, pode ser interessante incluir também um gaveteiro com espaço reservado para cada criança.

Não se esqueça de incluir etiquetas divertidas com o nome de seus filhos nas gavetas, pastas e prateleiras! Assim, eles já se sentirão donos do próprio espaço e aprenderão a respeitar o espaço e os materiais dos irmãos.

Rotina diária

Uma das habilidades essenciais para a formação intelectual de nossos filhos é o hábito da disciplina. Uma das formas de conquistá-lo é criar uma rotina diária de estudos, definindo sempre um mesmo período do dia para o exercício do intelecto.

A rotina que melhor funcionou em nossa família foi a definição de um horário dos estudos na parte da manhã. As crianças terminam seu café da manhã, recolhem a louça usada, escovam os dentes e trocam de roupas. Nesse meio tempo, eu já separo as primeiras atividades que cada criança fará. Em seguida, apresento uma explicação individual sobre o tema estudado. Geralmente começamos o dia com o estudo do idioma: inglês e português. Na sequência, as crianças exercitam a Matemática que, como o Português e o Inglês, também é objeto de atividades individuais, separadas para cada criança, durante a maior parte do tempo.

Já nas disciplinas de conhecimento gerais, como ciências, história, geografia e estudos bíblicos, fazemos leituras em grupo com atividades de fixação específicas para cada criança.

Procure desde cedo, incentivar o auto-didatismo. Especialmente quando a criança já está alfabetizada, não é necessário ficar o tempo todo ao lado dela. Você deve fazer o papel de tutor, aquele explica e tira dúvidas quando necessário.

O silêncio é outra habilidade que deve ser cultivada, principalmente se você tiver muitos filhos.

Criar hábitos positivos como organização, disciplina e o aprendizado auto-didata fará com que seus filhos se destaquem na área em que vierem a se especializar.”

Fonte: http://www.gehspace.com/arte-cultura/como-conciliar-a-educacao-dos-filhos-e-os-cuidados-com-o-lar-parte-2/#ixzz4F4FmmZ2T  |   http://www.gehspace.com/arte-cultura/como-conciliar-a-educacao-dos-filhos-e-os-cuidados-com-o-lar-parte-2/

 

Anúncios

Aplicação do Método Clássico à catequese de crianças – Educação Domiciliar

familygathered

O que a catequese tem a ver com a Educação Domiciliar? Lendo esse texto espero que você tenha ideia da relação dessas duas coisas…
Se você ainda não leu o texto aqui do blog sobre ensinar a Palavra de Deus para seus filhos, leia aqui – e não deixe de assistir o vídeo do pequeno Giancarlo respondendo às perguntas!

Por Aláuli OliveiraEducação Domiciliar

“Temos 5 filhos. A mais velha tem 9 anos e o mais nova 8 meses. Em nosso culto doméstico todas nossas crianças estão presentes. E todas elas participam de alguma forma. As duas mais velhas, que já sabem ler, participam da leitura inicial de nossa devocional. Os dois menores oram quando solicitados e a caçula (8 meses), por enquanto, grita e distrai os irmãos.

O culto doméstico é o primeiro ato do nosso dia de educação domiciliar (ED). É quando ensinamos a sã doutrina aos nossos filhos por meio da catequese, ou seja, usando os catecismos reformados. Para as maiores, de 9 e 6 anos, usamos o Breve Catecismo. Para os menores, 4 e 3 anos usamos o Catecismo Infantil (Os Puritanos). Um questionamento que sempre me fazem é se meus filhos entendem o catecismo com todos aqueles termos teológicos complicados, etc. Também me questionam se deixar meus filhos pequenos no culto público não seria prejudicial para eles, uma vez que a linguagem não lhes é apropriada. Então, perguntam: não seria melhor manda-los para o “culto infantil” que tem uma linguagem (historinhas) mais adequada ao entendimento deles?

É possível que você faça estes questionamentos a si mesmo. Será que é útil catequizar uma criança pequena? Será que os catecismos são mesmo adequados às crianças de 3 e 4 anos? Vamos ver. Vou dar um exemplo. Como falei, usamos o Catecismo Infantil com nossos filhos pequenos. Vou tomar a pergunta dez como exemplo.

P. 10. Como chamamos esse ensino de que Ele (Deus) é um único Deus em três pessoas?

R.: Trindade.

Fazer esta pergunta a uma criança de 3 anos pode ser assustador! Pensamos: como vou explicar ao meu filho de três anos o que é trindade? Mas, o termo trindade não é o único estranho para os pequenos. Eles podem, por exemplo, querer saber o que é pessoa. Bem… parece que só piora, né? Mas, vamos ver um postulado bíblico com o qual também concorda a educação clássica.

As crianças pequenas não precisam necessariamente entender, elas precisam saber a verdade. “tu as inculcarás a teus filhos” é o imperativo bíblico para os pais (Dt 6.7). Crianças pequenas estão na fase que a educação clássica chama de Gramática. É um período de absorção de vocabulários e conceitos (nem sempre completamente compreendidos). Nesta fase não se deve exigir da criança compreensão lógica, concatenação de ideias, mas simples e diligentemente lhe ofertamos conhecimento e ela o absorverá.

No que diz respeito a catequese, nesse período a criança deve se familiarizar com as afirmações doutrinárias e adquirir o vocabulário teológico/bíblico que, mais tarde, nas fases lógica e retórica, serão úteis para o entendimento dos conceitos já postos em sua mente e para lhe dar sabedoria para viver segundo estes e expressá-los em sua vida. Sendo assim, quando ensino a pergunta dez do Catecismo Infantil para o Lucas de “tlês” anos, não pretendo explicar-lhe o que é Trindade (confesso que eu mesmo nunca passei para fase lógica nesta doutrina), mas somente que guarde a afirmação: Deus é Pai, Filho e Espírito Santo e este ensino (ou doutrina) se chama Trindade. Então eu pergunto: “Como chamamos esse ensino de que Ele (Deus) é um único Deus em três pessoas?”. E Lucas reponde: “Tlindade”. Está ótimo! É isso mesmo! Curiosamente, nem Lucas nem Lorena (4 anos) me perguntou o que significa Trindade.

Mas fica melhor! Esta é parte surpreendente. Usamos o catecismo infantil porque achamos mais fácil para os pequenos decorar. Mas usamos o Breve Catecismo de Westminster com as nossas filhas maiores – uma delas, Júlia, em transição para fase lógica. Depois de fazermos a pergunta dez do infantil para os pequenos, voltamo-nos para as maiores e fizemos a pergunta 21 do Breve:

P. 21. Quem é o Redentor dos escolhidos de Deus?

R.: O único redentor dos escolhidos de Deus é o Senhor Jesus Cristo que, sendo o eterno Filho de Deus, se fez homem, e assim foi e continua a ser Deus e homem em duas naturezas distintas, e uma só pessoa, para sempre.

Dia desses, depois de fazer a pergunta para as mais velhas e ouvir a reposta de cada uma delas individualmente, Lucas nos surpreendeu com a seguinte solicitação: “quelo falar sozinho”. Então, repeti a pergunta para ele. Ele respondeu: “O único redentor dos escolhidos de Deus é o Senhor Jesus ‘Clisto’”. Não creio que Lucas saiba o que é um redentor ou o que significa ser escolhido. Isto não necessário agora. Mas está gravado em sua cabeça, e espero que em seu coração também, que Cristo é o único redentor dos eleitos de Deus. Está bom por enquanto!

Os catecismos são adequados às crianças pequenas? A reposta é sim. E o mesmo serve para o culto público e o sermão. Na fase em que se encontram, o importante não é compreender, mas absorver a verdade.

Por isso, quero encorajá-lo a ensinar o catecismo aos seus filhos pequenos e memorizar as perguntas/respostas com eles. Da mesma forma a ler nas Escrituras, não somente as histórias, mas também os textos doutrinários. A deixá-los com a congregação no culto público e incentivá-los a ouvir o sermão. Ou seja, inculque e, no futuro, eles perguntarão o que tudo isso significa. Mas aí já é assunto para outro artigo.

Antes de encerrar, quero  fazer as seguintes recomendações:

Por que eu amo o homeschooling…

 

homeschooling

Caros amigos,

Não é nenhuma novidade que eu amo a educação domiciliar. Também não é de se surpreender que esse movimento esteja crescendo no Brasil. Em poucos anos saímos de menos de 1000 famílias para mais de 4 mil; e os números só tendem a CRESCER! 😀  Isso é muito bom!

Se analisarmos a situação econômica, social e educacional do nosso país, vemos a degradação moral e pedagógica levando nossas crianças ao mais profundo abismo – o padrão de certo e errado está sendo erradicado na sociedade, estamos no meio de uma crise econômica que gerou mais de 11 milhões de desempregos e em nossas escolas há muito foi esquecido o ensino básico, substituído pelo famigerado “senso crítico” (crítico pra quem!? – uma reflexão para nos fazer pensar). Nesse contexto, e por muitas outras insatisfações, muitos brasileiros têm olhado com bons olhos para a educação domiciliar.

Muito me alegra saber que em tão pouco tempo muitas famílias têm se comprometido em tomar para si aquilo que já é seu por direito: a educação de seus filhos. O homeschool é algo realmente lindo, pois coloca a educação de volta no lugar de onde ela não deveria ter saído, coloca a família com o centro e provedora dessa educação, como foi desde sempre e deveria ser até hoje. (Com isso não quero dizer que sou contra a escola, pelo contrário: os pais, como gestores da educação de seus filhos podem escolher COMO educá-los. Sou contra o ser radicalmente contra o homeschooling, sem o mínimo fundamento para isso.)

A educação domiciliar traz tantos benefícios, tantas coisas boas que seus opositores teimam em não enxergar…..

Eu amo o homeschool porque ele dá liberdade aos pais. Liberdade para escolher o que ensinar, quando ensinar, como ensinar, onde ensinar. Aos pais cabe decidir se o filho já está pronto para receber certo conteúdo; a eles cabe a responsabilidade de administrar os conteúdos de acordo com seus valores, sem se sentirem violados; a família escolhe se vai ter aula na sala, cozinha, quarto ou no jardim da esquina……liberdade de escolha. Aqueeeela liberdade que todo mundo luta pra ter, mas não deixa os homeschoolers terem! 😉

Eu amo o homeschool porque ele é acessível. Engana-se profundamente quem pensa que educação domiciliar é coisa de rico. Os pais não são obrigados a gastar rios de dinheiro em matrículas anuais – porque não tem matrícula, nem em uniformes caros -já que até seu pijama pode ser uniforme, nem gastam 1500 reais em mensalidade – porque hs não tem mensalidade. Basta comprar livros. Muitos livros. “Mas, Isabela, livros são caros”. 1) Livro não é caro assim.; 2) Existem sebos físicos E online. (sebo = livro barato); 3) O  que é mais caro: comprar um livro que será usado a vida toda ou comprar 10 livros, um de cada matéria, que não servirão no ano seguinte? Portanto, a educação domiciliar é ajustável a todos os bolsos! Quem tem mais recursos, usará deles, quem não tem tantos, usará do que dispõe. Ambos serão bem sucedidos! Isso é maravilhoso! *ps: quem paga internet, então, não precisa MESMO entrar em desespero. Muito conteúdo, muito livro, muito material disponível. Gratuito ou não.

Eu amo o homeschool porque ele une a família. Tempo juntos, tempo em QUANTIDADE.E qualidade. Não se iluda: qualidade somente não basta! Quantidade e qualidade são primordiais para um relacionamento saudável. (Com isso não quero dizer que crianças que vão para a escola não tem famílias com relacionamentos saudáveis, POR FAVOR). Esse é somente um lembrete aos pais e um incentivo para aqueles que amam suas famílias! O tempo em casa, aprendendo juntos, cantando juntos, cozinhando juntos, brincando juntos se torna inesquecível para as crianças – e para os pais também.

Eu amo o homeschool porque nele as crianças aprendem a se relacionar com adultos de forma saudável. Pense: é bastante desagradável um ambiente com crianças desordeiras, desrespeitosas e que não sabem lidar com um adulto (como se adultos de crianças fossem destinados a viverem em mundos distintos para seeeempre). Se você conhece uma família homeschooler, tenho quase certeza que você nota a diferença. As crianças aprendem, diariamente, a conviver com adultos, de forma a respeitá-los, honrá-los , sabendo que eles têm o que lhes ensinar. Elas continuam sendo crianças, mas aprendem a se portar na presença de adultos, pois estão acostumadas a eles.

Eu amo o homeschool porque ele ensina a verdadeira socialização. Sim, meus caros, socialização verdadeira não é estar em uma sala de 20 crianças iguais a você – mesma idade, bairros e classes sociais semelhantes. Socialização é saber conviver, brincar, conversar e respeitar as pessoas que são mais velhas que você,mais pobres ou ricas que você, saber ouvir o que os idosos têm para ensinar com sua sabedoria, saber se portar na presença de adultos… Do mais novo ao mais velho. Isso é socialização!

Eu amo o homeschool porque nele aprende-se conteúdo relevante. Gente, admitam: nós aprendemos tonelaaadas de coisas inúteis na escola e deixamos de aprender outras toneladas, só porque “não dá tempo”. Pense em quanta coisa você poderia ter aprendido, quantos experimentos você poderia ter feito, quantos passeios você poderia ter feito. Mas não pode, porque estava tracado aprendendo muita coisa inútil! (Lembrando: com isso não estou dizendo que SÓ se aprende coisa inútil na escola).

Eu amo o homeschool porque o aprendizado é eficiente. Novamente, admitam: o quanto você se lembra das coisas que te ensinaram na escola? Eu não me lembro de quase nada de matemática, física e química, por exemplo – a não ser o básico. Isso não é triste? Por que isso acontece? Porque não somos ensinados de maneira atrativa, nem eficiente. Simplesmente nos fazem decorar, sem nos fazer entender depois. No homeschoool cada pai vai escolher a melhor forma de ensinar seu filho as matérias necessárias para a vida, de forma individualizada e no momento certo, de forma a ter o maior aproveitamento possível.

Eu poderia passar mais uns dois dias aqui escrevendo os porquês de eu amar o homeschooling. Mas eu deixo isso com vocês. E você, por que você ama a educação domiciliar?! 😀