“Você consegue, mas eu não!” – Renata Santos

disturbio-aprendizagem2

Quem faz homeschooling ou gostaria de fazer já deve ter escutado essa frase… eu mesma já escutei algumas vezes! Portanto, quando li esse texto, foi identificação total.

Que você possa ser encorajado por essas palavras …
Com vocês, uma especialista, minha amiga querida, Renata Santos, do Educação Domiciliar.

“Ontem recebi uma ligação de uma amiga querida, que há muito tempo  não encontro. Ela me ligou após ter visto um artigo em nosso Blog Educando no Caminho, e nos parabenizou de forma sincera pela nossa escolha pelo Homeschooling. Entretanto, escutei dela o que venho ouvindo de algumas mães: “mas você consegue, eu não” ou ” você está envolvida com ensino, tem até mestrado, por isso sabe” ou mesmo “você é tão calma, tranquila, eu não conseguiria, logo estaria louca!”.  Então resolvi amadurecer mais este tema (na verdade, a reflexão veio em meio a uma pilha de roupas para passar) para finalmente escrever sobre o assunto.

Primeiramente, gostaria de dizer que não sou diferente de nenhuma mãe que procura o bem de seus filhos. Tenho também as minhas debilidades, meus momentos de cansaço, a velha neura pela casa arrumada, a impaciência em certos momentos… porém, Deus tem me capacitado e tento desenvolver os frutos do espírito me aproximando Dele em oração e meditação das Escrituras. Tento armar o meu espírito na militância contra a carne, de forma que os meus pecados estejam diminuindo dia após dia, para que eu possa manifestar o caráter de Cristo em meu lar, principalmente na lida diária com meus filhos. Portanto, encorajo-a a não usar a impaciência como um empecilho para a prática da Educação Domiciliar. Na verdade, como já disse anteriormente, tanto a maternidade quanto a Educação Domiciliar tem sido usados por Deus como instrumento de santificação para mim e para todos os membros da nossa família, nos tornando mais atentos as nossas imperfeições e cientes da necessidade da misericórdia divina.

Em segundo lugar, gostaria de falar que minha experiência educacional se restringe a adultos e minha formação se direcionou quase exclusivamente para a área da saúde. Ou seja, sou como você,  sem curso de pedagogia e afins, e sem muita habilidade artística (isso para ser no mínimo eufêmica). Porém, dentro da minha área de conhecimento, posso afirma-lhe que cientificamente todos nós fomos dotados por Deus por um processo maravilhoso que ocorre dentro do córtex cerebral, lá com os neurônios, denominado neuroplasticidade. A neuroplasticidade nos permite entre várias outras coisas, aprender. O discurso de que só aprendemos quando somos muito jovens já caiu por terra há vários anos. Todo ser humano enquanto tiver vida, e quiser tornar-se aberto ao aprendizado, consegue aprender. Qualquer coisa…mesmo. Bom, então você já percebeu onde quero chegar. Todas nós fomos capacitadas por Deus para ensinar aos nossos filhos…qualquer coisa, inclusive a física, a química, a matemática. Basta ler e estudar (às vezes, muuuuito!). Entretanto, felizmente  a Educação Domiciliar não requer que nos tornemos uma enciclopédia ambulante. Com o tempo, nossos filhos vão aprendendo a buscar o conhecimento, a compartilhar as suas dúvidas, a nos ensinar várias coisas das quais não tínhamos ideia que existissem…

Um dos exemplos mais recentes que dou é o ensino do latim. Eu nunca tinha estudado latim e muito menos sabia da importância do mesmo para o desenvolvimento da lógica e para o estudo da língua portuguesa. Então, decidimos que este aprendizado seria necessário para as crianças. Como resultado dessa decisão, ganhamos momentos especiais durante o estudo dessa língua, quando juntos nos unimos para compreendermos sua gramática, sua pronúncia. Estamos aprendendo juntos, acertando e errando, e rindo muito!

Em relação ao medo da “incompetência acadêmica”, recomendo que peça ajuda quando estiver em dificuldades! Estamos cercados de irmãos e familiares competentíssimos nas mais diversas áreas do conhecimento. Existem pessoas no seio da igreja interessadas em nos auxiliar, montando um plano de ensino de acordo com as necessidades das famílias, visitando regularmente nossos filhos e verificando seu aprendizado, corrigindo textos, orientando projetos. Existem também as famílias homeschoolers que estão mais na frente na caminhada, sempre aptas a compartilhar seu conhecimento, material, experiência. Nós não estamos sozinhas, fazemos parte de um corpo com uma multiplicidade infindável de dons e talentos, e podemos nos valer disso.

E por último, e não menos importante, pois a cereja do bolo geralmente é a última a ser degustada: Deus nos chama e nos capacita. Então o Senhor olhou para ele, e disse: Vai nesta tua força, e livrarás a Israel das mãos dos midianitas; porventura não te enviei eu? E ele lhe disse: Ai, Senhor meu, com que livrarei a Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu o menor na casa de meu pai. E o Senhor lhe disse: Porquanto eu hei de ser contigo, tu ferirás aos midianitas como se fossem um só homem. Juízes 6:14-16 

Essa é uma verdade! Se seu coração tem sido incomodado pela ideia de educar os seus filhos em casa, não se preocupe. O Senhor a capacitará com toda sorte de talentos e fruto do espírito, a abençoará com pessoas que auxiliarão sua caminhada.

Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares. Josué 1:9″

Esse artigo foi originalmente postado em Educação Domiciliar Reformada – Você consegue, mas eu não!

Anúncios

Ensino de inglês – dicas de material

english

Creio que todo mundo saiba da importância do aprendizado da língua inglesa nos dias de hoje. Além de importante para o mercado de trabalho, ela abre muuuitas portas para literatura que ainda não foi disponibilizada no português. Imagine quanto conhecimento está guardado nos livros de língua inglesa esperando por sua leitura? Pense no quanto o homeschooling é enriquecido quando se tem acesso a mais materiais do que temos aqui! Eu como estudante de Inglês/Literaturas língua inglesa na faculdade e sei do que estou falando… 😉

Mas se você, como eu, não tem taaanto dinheiro assim para pagar um curso de inglês para 2, 3, 4, 5 …… filhos, é bom dar uma olhada nessas dicas. Por mais que algumas sugestões não sejam de graça, ainda é mais barato do que 4 anos (ou mais) de mensalidade em cursinho*.

Esse texto teve muita ajuda de alguns amigos de um grupo de homeschooling no whatsapp, em uma conversa sobre ensinar inglês e português pros filhos. Então, como eu disse em outro texto: CONECTE-SE. Você precisa entrar em contato com outras famílias, é assim que a gente aprende e divide experiências, encoraja outras pessoas …. 😉

Livro

Um livro que foi recomendado no grupo foi o “The Ordinary Parent’s Guide to Teaching Reading”. Ele foi utilizado para alfabetizar as crianças em inglês. O livro consiste em trabalhar os conceitos de fonética para o ensino da língua. Na maior parte dos cursos de língua estrangeira, não se ensina fonética, somente na faculdade – por isso muitos alunos falham em ter uma pronúncia correta das palavras.
É um livro que se propõe a ser um material simples, direto, fácil de seguir e com um preço acessível, de forma que qualquer pai pode ensinar seu filho a ler em inglês. Ele está disponível no site da Amazon.

Leitura

Uns livros muito bons são os escritos por Dr. Seuss, um autor de livros infantis famosíssimo nos EUA. Ele publicou mais de 60 livros e são ótimos para praticar a leitura, pois Dr. Seuss brinca com as palavras, de forma que seus textos são melódicos e rimados. Fácil de encontrar na Amazon também (e-book e livro físico). Incentive seu filho a ler, mesmo que você não seja fluente em inglês. Use dicionários online

Aplicativo

Esqueça o Duolingo como forma de aprender inglês efetivamente! Ele tem suas qualidades, mas não é o melhor para ensinar língua estrangeira pro seu filho. Um aplicativo muito bom para estudar o alfabeto fonético é o Phonemic Chart, disponível para Android e IPhone. Nele você verá e ouvirá como se pronuncia corretamente as letras no inglês.
Outro aplicativo muito útil é o Phonetizer, também disponível para Android e IPhone, além de PC. Nele, você seleciona qualquer texto e ele faz a transcrição fonética de como você deve ler aquele texto. Ótima ferramenta para alunos e pais/professores!

Site

Rosetta Stone: ele serve tanto para adultos, quanto para crianças. É interativo, possui vários joguinhos, de diferentes níveis, para que seu filho aprenda o inglês no seu próprio ritmo. Também há uma ferramenta para os pais acompanharem o progresso dos filhos. Ele não oferece seus recursos de graça, mas ainda é mais barato do que um curso.
Raz-Kids: um site que oferece várias leituras, para diferentes níveis de aprendizado. Vale a pena dar uma olhada no site. Também não é de graça, mas oferece algumas ‘amostras grátis’.

Dicionário

Se você quer aprender e ensinar inglês, precisa de um bom dicionário. Pra mim, os melhores são Oxford e Cambridge. Dê preferência para aqueles que são mais completos, com boas definições, com transcrição fonética – o jeito de pronunciar a palavra na língua – enfim, um dicionário bom! Aqueles muito fininhos são excessivamente básicos, o que pode não atender às expectativas. O que tenho em casa é de nível Avançado, que vem com um CD-ROM do dicionário, o que é ótimo, pois é interativo, contém exemplos de provas de certificação internacional e programas de estudo excelentes, além de um dicionário visual. Vale o investimento!
Para quem ama dicionários online, olha o Cambridge aqui e o Oxford aqui.

*obs: esse texto NÃO é um tratado contra cursos de inglês. Eu sou professora de inglês, já dei aulas em cursos. Obviamente não sou contra cursos de inglês! Por favor. A intenção é tão somente ajudar aqueles que não dispõem de recursos financeiros para pagar curso para todos os filhos ou não querem fazê-lo, o que é um direito dos pais. 

Dicas úteis para os pais

dicas

Você que pensa em fazer homeschooling com seus filhos já deve ter se animado com a ideia, mas entrado em certo pânico, certo?! Creio que com toda família é assim.

Para que você não desanime no meio do caminho, ainda mais por falta de planejamento, deixo algumas dicas. Educação Domiciliar requer certo grau de preparação e planejamento, portanto, leia com carinho essas linhas. Elas podem ser muito úteis para você.

  1. Se conecte
    Junte-se a um grupo de apoio perto da área onde você mora. Encontre outras famílias que estão no mesmo barco que você, participe de encontros e reuniões. Converse com famílias mais experientes, que possam te dar o caminho das pedras, dicas e conselhos. Também fique de olho se há algum congresso de homeschooling para acontecer perto de você e planeje-se para ir, se for possível: essa é uma oportunidade única de estar com outras pessoas, trocar experiências, se motivar.Não esqueça da Internet, ela é uma ferramente maravilhosa para nós, homeschoolers. Siga páginas e entre em grupos de Facebook e whatsapp. Não se isole .. Se conecte!
  2. Perceba o ritmo de aprendizado do seu filho
    O homeschooling permite que os pais moldem o tempo e o modo de educar seus filhos (liberdade! :D). O ensino em casa é personalizado, pois leva em consideração as necessidades do seu filho. Não que ele vá aprender somente o que ele quer! Mas ter a percepção de como ele aprende melhor – vendo, ouvindo, escrevendo, etc – e quando – tempo certo, é essencial.
  3. Escolha um método a ser usado
    Há inúmeras possibilidades de ensino, tantos métodos disponíveis, quase tantas combinações diferentes quanto famílias educadoras. Algumas optam por um método só durante toda a vida educacional do filho, outras, mudam conforme ele se desenvolve. Alguns métodos: Tradicional, Clássico, Unschooling, Charllote-Mason….
  4. Ache um local para ensinar seu filho
    Um quarto específico? Na sala de jantar? Na cozinha? Em uma mesa na varanda? Na cama das crianças? Você pode escolher um local que lhe seja mais confortável ou propício. Caso você não tenha a ‘sala do homeschooling’, não tem problema, vida que segue, isso não é essencial.
    obs importante: ter um local específico é para o momento das aulas em si. Não esqueça que todo tempo, em toda situação é um momento para aprendizagem.
  5. Seja criativo nos seus passeios
    Leve seus filhos para passear. Aproveite os momentos que a maior parte das crianças estará na escola e você terá o museu quase que só para você! Lá, aproveite as ‘janelas’ abertas para ensinar seus filhos, seja arte, botânica, música, português, cultura medieval, geologia, história…… olhe para esses espaços como aulas. Vá a lugares diferentes, visite livrarias e bibliotecas, teatros, óperas…leia um exemplo disso aqui: Museu do Amanhã

     

  6. Enfrente as matérias difíceis
    Matemática. Física. Latim. Arrepios ao ouvir essas matérias? Não entre em pânico… há soluções para você. Por que não trocar uma aula de português por uma de matemática? Se alguém sabe essas matérias, compartilhar com os outros pode ser de grande ajuda. Se isso não for possível, não é problema contratar um professor particular para ensinar algo que você não se julga competente para ensinar.
    Se isso não for bom pra você, por que não fazer um projeto de aprender algo em família? O Latim, por exemplo. Pais e filhos podem aprender juntos. O que não falta é curso na internet e livros à disposição!
  7. Ajuste o homeschooling ao seu orçamento
    Homeschooling não é coisa só de ricos, então, adapte o que você achar que não cabe no seu bolso. Não pode comprar 3400 livros? Pois não compre. Compre somente o que você pode pagar e aproveite o que há de graça por aí. Há alguns sebos que vendem livros beeem baratinhos, ou fazem algum esquema de trocas, por exemplo. Na internet, há muita coisa disponibilizada de graça… procure e aproveite!
     

    Espero ter ajudado com essas pequenas dicas. E você, tem mais alguma?!

Homeschooling: 7 perguntas e respostas

speech1

Primeira pergunta: é legal?

Pode parecer meio repetitivo eu falar isso novamente aqui no blog, mas creiam-me, é importante. Sempre haverá quem pergunte!
No Brasil, o homeschooling não é proibido por nenhuma lei vigente. Mas também não é legalizado. Ele não tem nenhum tipo de regulamentação, ainda. Há um caso tramitando no STF, que teve origem pelo mandado de segurança acionado por Moisés Pereira Dias, de Canela/RS, contra a secretaria de Educação da cidade, após ter sido negado o pedido de educar sua filha em casa. Esse processo poderá definir o futuro da Educação Domiciliar no país.
Sobre o caso leia aqui.
Mais detalhes sobre a legalidade do HS, leia HS: proibido no Brasil? e ED: que papo é esse?.

Onde eu encontro material e currículos prontos?

Como todo brasileiro, a pergunta sempre é: onde encontro currículos prontos? Bom, como  o homeschooling tá nascendo “agora” aqui no país, ainda não dispomos de um currículo de 10 anos de estudos pronto, completinho. PORÉM, se você realmente é um homeschooler isso não será problema pra você! Como pai e professor, você precisará correr atrás de bons livros (leitura e estudo), bons materiais, boas livrarias, bons sebos. Se onde você mora não tem sebo, há aqueles virtuais ;). Tem MUITO material para você educar seu filho, muita literatura boa. Você só precisará correr atrás. Peça indicação a quem já faz HS, junte-se a um grupo de famílias que educam em casa na sua região, use a internet! 😀

Quanto tempo demora uma aula?

Menos do que você imagina! Na escola, o horário de aulas vai de 7h-12:30 (mais ou menos). Veja, nesse tempo, quantos minutos são REALMENTE produtivos? Pouquíssimos! Mais da metade de uma aula o professor gasta só em chamar atenção de alunos bagunceiros e esperando-os copiar o quadro. Muito tempo desperdiçado. Já em casa, o tempo rende muito mais. As vezes em 2 horas no dia seus filhos já viram história, matemática e português – com qualidade, em menos da metade do tempo. Veja, é menos do que a gente tem em mente, por causa da nossa vivência escolar.

E se eu tiver filhos em idades diferentes?

Você vai se surpreender com a quantidade de matérias que podem ser dadas juntas, mesmo com faixas etárias diferentes. Você, como o professor, pode montar a grade de aulas de forma que os filhos estejam juntos, mas trabalhando individualmente e você vai só orientando nas dúvidas. Você também pode organizar seu horário de forma que os mais velhos estudem sozinhos e você dê aula para os menores …. enfim, vai de acordo com sua disposição e criatividade (por isso amo o HS!).

E a socialização?!

Estudos mostram que a maior parte das crianças educadas em casa estão envolvidas em uma enorme variedade de atividades fora de seus lares, interagindo com um vários tipos de pessoas e que contribuem para suas comunidades. A experiência nos mostra que elas são muito bem socializadas e hábeis para fazer amizades duradouras, independente de idade e cultura.

Leia mais em: O mito da socialização e Mas e a socialização?

E o ensino médio?

Ensinar seu filho durante os anos equivalentes ao ensino médio pode ser desafiador – haverá matérias mais complexas. No entanto, traz grandes benefícios! Nesse período, seu filho precisará de pouquíssima supervisão, ele terá se tornado autodidata e tirará grande proveito de seu aprendizado.

E a graduação?

Aqui no Brasil é possível entrar na universidade pública, mesmo tendo estudado em casa. Basta fazer a prova do ENEM. Para saber como, leia em Homeschooler pode fazer ENEM?

 

Agora que você já tem a resposta, compartilhe esse texto com o maior número de pessoas 😉

 

 

O poder dos relacionamentos: a ED e a família

March_12_PM-8 workshop Family copy

Workshop sobre o poder dos relacionamentos na Educação Domiciliar. Momentos de muita emoção e aprendizado.

Como já mencionei anteriormente, estive na Global Home Education Conference. Foi maravilhoso conhecer taaaaanta gente engajada na vida de homeschooling, tantas famílias, gente até do meu estado, que eu não conhecia ainda. Saímos, todos, de lá muito motivados e determinados a dar seguimento ao futuro educacional dos nossos filhos. Vimos, pelas palestras, o direito que nós pais temos de decidir qual tipo de educação dar para nossos infantes, ouvimos coisas novas e vimos a realidade da educação domiciliar em pouco mais de 13 países do mundo.

No entanto, tenho que confessar que uma das partes mais emocionante da conferência foi o workshop “O poder dos relacionamentos na Educação Domiciliar”. Em primeira análise, esse título pode parecer algo brega, ou de ‘auto ajuda’. Mas a realidade é bem melhor.

Três palestrantes foram convidados para falar: Tracy Klica MacKillop (Home School Foundation), Rick e Barb Heiki (Grandparents of Homeschoolers) e Leigh Bortins (Classical Conversations). E todas elas se complementaram, de modo que no final, a mensagem passada foi reiterada. 🙂

A primeira palestrante foi Tracy Klica. Ela nos mostrou dados sobre pesquisas acadêmicas na área de educação. Primeiramente, segundo essas pesquisas, crianças com famílias intactas demonstram melhor um comportamento de auto controle, e, no geral, têm menos problemas comportamentais e emocionais. Além disso, elas têm maior desempenho acadêmico, aspiração educacional, senso de auto determinação e auto estima que a média ¹. Sabemos da importância das famílias bem organizadas, estruturadas, e harmônicas. Isso tem grande influência na vida dos filhos!  Sei bem que nem todas as famílias são assim, mas um lar bem ajustado é fundamental para a formação moral, emocional e até intelectual das crianças. E, como é de conhecimento geral, a família é o pano de fundo do homeschooling.

Se esses dados já eram favoráveis, dê uma olhada no que dizem as pesquisas sobre crianças educadas em casa: elas possuem maior nível de adaptação e coesão do que nas famílias que crianças que vão para a escola regular. E, devido ao longo tempo que passam juntos, dividindo experiências entre os pais e outras pessoas, crianças homeschoolers possuem uma capital social (i. e.: expressão de confiança e amor na sociedade) mais elevado².

Outra informação muito interessante é que o contato diário adulto-criança e as oportunidades para se atingir certos objetivos na educação domiciliar permite que as crianças estabeleçam um vínculo familiar maior. Fora a comunicação, que melhora muito durante a infância e se prolonga até a vida adulta. Além disso, foi mostrado que crianças educadas em casa se desenvolvem tanto quanto – ou melhor – social, emocional e psicologicamente do que aquelas que vão regularmente para a escola³.

Um último ponto sobre as pesquisas acadêmicas é que o respeito pelas diferenças individuais, a consideração social e o cuidado com o próximo são valores constantemente observados nas crianças homeschoolers. Ao contrário do que dizem os opositores do Homeschooling, tal prática só traz benefícios em termos sociais, uma vez que serão formados cidadãos respeitosos, que valorizam o outro, que sabem interagir em diferentes grupos sociais, que não pensam somente em si mesmos, mas na comunidade ao seu redor… É ou não é interessante que pesquisas comprovem o que a gente já fala há um tempão?! 😉

Vejam quantas coisas boas são atingidas através da Educação Domiciliar…. Entretanto, conforme os palestrantes mesmo mencionaram, e também os filhos homeschoolers que se apresentaram em um momento posterior, o maior benefício não é ser um bom cidadaão nem um aluno inteligente. O maior benefício que todos relatam é a melhoria do relacionamento familiar. Por causa do tempo que a família passa junto, por perseguirem alguns valores que a escola não persegue, por estarem envolvidos na vida familiar ativamente todos os membros se beneficiam.

Com quem você passa a maior parte do seu tempo? E seu filho? Uma criança de 3 aninhos, geralmente, já passa mais tempo com as tias da escolinha do que com seus pais. Com quem ela vai se parecer mais: com você ou com a tia [da escola]? Notem: relacionamentos demandam TEMPO. Não é só qualidade que importa! Tempo é fundamental. É com tempo que você vê as melhores qualidades, mas também os maiores defeitos que precisam ser corrigidos. Com a família junta, o amor cresce e se fortalece.

A história da família de Tracy Klica foi muito tocante, nesse aspecto. Ela e seu marido – Chris – tiveram 7 lindos filhos. Todos eles educados em casa desde que eles nasceram. A filha mais velha dela, aos três anos, a pediu para ensiná-la a ler, então assim começaram o homeschooling. Tudo estava indo muito bem, apesar da dificuldade de educar sozinha as crianças, até que em 1994 Chris foi diagnosticado com Esclerose Múltipla e rapidamente ele foi piorando seu quadro. Ainda sim, eles dois decidiram que continuariam com o homeschool, porque queriam investir na vida de seus filhos.

De 1991 a 1995 eles tiveram os sete – sim, eles tiveram gêmeos também! Então imagine: todas as crianças de sete anos para baixo, algumas com fraldas, outras começando a andar e o marido com Esclerose Múltipla. Segundo ela disse: “foram anos em que estivemos beeem ocupados”. Portanto, nesse tempo ela fez muita coisa informal com as crianças, como observações de espaços abertos, brincadeiras e jogos, passeios para eles aproveitarem a natureza e muuuuita leitura, fora afazeres domésticos, pois cada um tinha uma função em casa. Eles focaram em habilidades orais e de leitura, para depois partirem para a escrita.

Mais tarde, com o desenvolvimento das crianças, eles já faziam trabalhos em grupos – entre eles e outras famílias – e foram ‘formalizando’ um pouco mais o ensino. Mas em todo tempo o mais importante era fortalecer os laços familiares, entre os irmãos e entre os pais, e com outras crianças e adultos.

Com o passar do tempo, as crianças e o homeschool foram desenvolvendo, assim como a Esclerose de Chris, pouco a pouco. E, por causa da interação familiar provocada pela educação em casa, as crianças aprenderam a servir seu pai, a cuidar dele enquanto ele precisou deles. Os filhos aproveitaram ao máximo a presença do pai. Eles viajaram juntos, eles passavam o dia juntos, conversando, aprendendo, estudando, lendo a Bíblia… imagine que coisa boa! Eles aprenderam a amar um ao outro e cuidar um do outro, até que em 2009 o pai veio a falecer em virtude de sua doença.

Uma coisa é central: homeschooling não é só sobre melhorar a inteligência do seu filho, mas sobre o relacionamento da sua família. O tempo que as crianças estarão em casa, precisa ser bem aproveitado e vivido em família! Qual será a lembrança que seus filhos terão quando eles saírem da sua casa? 🙂

Fontes:

¹ Amato, P. R. [2005] The impact of family formation on the cognitive, social and the emotional well-being of the next generation. The future of children. 75-96

Manning, W. D And Lamb, K. A [2003]. Adolescent well-being in cohabiting, married, and single-parent families. Journal of Marriage and Family, 876-893.

Lansford, J. E. et al. Does family structure matter? A comparison of adoptive, two-parent biological, single-mother, stepfather, and stepmother households, Journal of Marriage and Family, 840-851.

² Alice-Carson, J. [1990]. Structural and interaction patterns of home school families. Home school Researcher : http://www.nheri.org/home-school-researcher/volume-06-issue-3/structure-and-interaction-patterns-of-home-school-families.html

Delahoock, M. [1986] Home educated children’s social/emotional adjustment and academic achievement: A comparative study. Doctoral dissertation, California School of Professional Psychology, Los Angeles, USA : http://www.nheri.org/home-school-researcher/volume-03-issue-3/review-of-qhome-educated-childrens-socialemotional-adjustment-and-academic-achievement-a.html

Ray, B. D. [2009] Home education reason and research. Commom questions and research-based aswers about homeschooling. : http://www.nheri.org/HERR.pdf

³ Knowles, J. Gary & Muchmore, James A. [1995]. We’re grouwn up home-school kids- and we’re doing juts fine, thank you. Journal of Research on Christian Education.