Ensinando seu filho a cultuar ao Senhor

familia1

Hoje mais cedo eu estava assistindo a essa palestra da querida Simone Quaresma, e resolvi compartilha-lá com vocês… Como você faz para que seu filho fique no culto? Como fazer Para que ele se comporte? Por que mantê-lo no culto solene?  Se você é mãe, essa palestra vai te ajudar MUITO nessa missão de conduzir seus filhos à adoração a Deus. Se não é, aprenda a ajudar outras mães também… Invista seu tempo assistindo a esse vídeo! 😀

Anúncios

Blogs de Educação Domiciliar – Atualizado

650x459x11-passos-e-dicas-para-ter-um-blog-de-sucesso-pagespeed-ic-z6hc0sdmd2

Se você, assim como eu, está querendo uma lista de blogs/sites/páginas que tratam sobre Educação Domiciliar, aqui vai uma! Desde março de 2016 o número de endereços eletrônicos aumentou muuito, então, nada melhor do que agrupar vários links em um lugar só.

 – Obs: essas divisões foram feitas por razões de ordem prática, apenas. –

Reformados (sites que partem da cosmovisão da Teologia Reformada):

Educação-Domiciliar:  
Lá você vai encontrar textos sobre educação domiciliar para tirar suas dúvidas e fóruns de discussões. Você poderá se cadastrar para ter acesso aos grupos.

Educação Domiciliar – Ensinando no Caminhoda “família Santos”
Eles tiraram os três filhos da escola com 10 e 12 anos e resolveram compartilhar suas experiências conosco. Os textos são ótimos!

Educação em família, da família Wieske
Nele vocês terá a excelentes textos sobre o tema, que vão te motivar bastante nessa jornada!

Sinta-se em nossa casa, da família Arumaa
Uma família que também está engajada nisso e conhece do assunto. Não deixe de passar lá.

Educar no Lar, da querida Milene Goes
Com textos leves, ela fala sobre a rotina e mostra como é o dia a dia de uma família homeschooler. Os textos são de emocionar. Ela também tem uma page no facebook, chamada “Veritas Vincit – Educação no Lar”

Homescholing – dever de casa, da família Vitalino
Brasileiros que fazem homeschooling com os dois filhos mais velhos, e de quebra, a pequena Eva. Compartilha em seu blog as experiências deles como família e textos devocionais.

Maçãs de Ouro, da Karis Anglada
Lá você encontra recursos para a promoção da Educação e da Literatura Cristã-Reformada. É conteúdo extenso e de alta qualidade.

Críticas Cristãs – dos ‘CriCris’ Maycon Ribeiro, Thiago Barros e Luan Sales
Eles têm um blog, um canal no YouTube e uma página no Facebook. Tudo para te ajudar a analisar os filmes e séries de televisão sob a ótica bíblica/reformada. Não deixe de segui-los!

Católicos 

Encontrando Alegria, do casal Abadie

Facebook: https://www.facebook.com/EncontrandoAlegria/

As chamas do lar católico, da Luciana Lachance.
Lá tem dicas dos livros que ela usa com as crianças e textos para o público feminino.

Clássica em casa
Tem page no facebook e site. É excelente! Tem várias dicas e textos bons. Facebook:  https://www.facebook.com/classicaemcasa/  

Educando para o céu: blog novinho em folha pra você conhecer.

Outros:

Direito À Educação: Página para divulgação das atividades e serviços jurídicos oferecidos pelo escritório do Dr. Édison Prado de Andrade no campo do Direito Educacional, e oferecer orientações gerais a aspectos educacionais e jurídicos ligados à prática de Educação Familiar Desescolarizada. Site aqui.

Família de Trigo: esse é um blog muito querido por mim, sempre com textos e ideias super legais pro homeschooling.

Cafezinho da Tarde: Nele, Karina Barber lança devocionais, apresenta materiais e mostra como é o homeschooling dela com a filha. Excelente site!

Dicas Homeschoolingda Glaucia Mizuki. Lá ela compartilha da vida dela, informações importantes, textos e outros blogs e os materiais que ela produz para o Homeschooling.

Família, desenho de Deus: página no facebook de uma mãe com 6 fillhos , onde ela compartilha preciosidades sobre a vida de mãe e homeschooler. É maravilhoso!  (eu, particularmente, AMO o canal dela!).

1º Congresso de Educação Cristã, que aconteceu na Igreja Presbiteriana do Jóquei- Teresina (PI). Você PRECISA assistir essas palestras, se você ainda não assistiu!

Associação Nacional de Educação Domiciliar: o site se encontra  fora do ar. Enquanto isso, acompanhe a página OFICIAL no Facebook. 😉

Como Educar Seus Filhos: do professor Carlos Nadalim. Textos e vídeos sobre infância, pré-alfabetização e alfabetização. É muito bom!

Aline Dexheimer: entusiasta da educação domiciliar, escritora e educa seus trigêmeos adolescentes em casa.

Home education | Brasil: lá você encontra depoimentos de jovens, de vários países, que passaram ou passam pela educação domiciliar.

Homeschooling: proibido no Brasil?! (1)

livros-direito-constitucional

Muitos perguntam sobre a situação jurídica da Educação Domiciliar no Brasil. Com o objetivo de sanar algumas dúvidas, sem esgotar o assunto, resolvi escrever esse pequeno artigo. Primeira pergunta: o Homeschooling é proibido no país?

Essa modalidade de ensino, em substituição ao ensino escolar, não é proibida por nenhuma ordem jurídica. Ao mesmo tempo, ela não é explicitamente regulamentada nem permitida por norma alguma. O assunto é simplesmente omitido nesse campo, uma vez que é algo que começou a ser debatido recentemente no Brasil. Os principais documentos que tratam da educação no país são a Constituição (CF, art. 205 a 214) e a Lei de Diretrizes e Bases (LDB – Lei 9.394/98). E neles não consta nem menção à educação domiciliar. Segundo Alexandre Magno, diretor jurídico da ANED, “apenas essa omissão já é suficiente para, de forma preliminar, declarar a validade da educação domiciliar, pois a CF tem como um dos pilares o princípio da legalidade (art. 5°, II), que considera lícita qualquer conduta não expressamente proibida em lei”.

Bom, até aqui nada muito bem resolvido. Portanto, precisa-se entender a hierarquia do ordenamento jurídico do Brasil: Constituição Federal, Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) e leis ordinárias, quais sejam LDB, ECA e o Código Civil/CC. Assim sendo, a pergunta seguinte é “quem deve prover a educação?”. Lemos que:

Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (CF – grifou-se).

Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (LDB – grifou-se).

Não há dúvidas, portanto, que esse dever é compartilhado entre pais e Estado. Mas quem tem a primazia nesse caso? Lemos na DUDH¹:

3. Os pais têm prioridade de direito na escolha do gênero de instrução que será ministrada a seus filhos (artigo XXVI – grifou-se)

E no CC²:

Art. 1.634. Compete aos pais, quanto à pessoa dos filhos menores:
I – dirigir-lhes a criação e educação (grifou-se);

Dessa forma, cabe aos pais dirigir a educação dos filhos da forma que julgarem mais apropriada, seja matriculando em uma escola, seja educando-os em casa. O Estado somente poderá tomar esse dever para si se os pais não tiverem condições e/ou vontade de educar o filho em casa.

Segundo o artigo 208 da CF³, “O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de: I – educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade, assegurada inclusive sua oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade própria; (…) § 3º – Compete ao Poder Público recensear os educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a chamada e zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela frequência à escola”.  Analisando-se o inciso 1, entende-se que o artigo não obriga a escolarização, mas a educação, que deve assumir um status formal entre 4 a 17 anos do indivíduo, isto é, deve cumprir o exigido pelo artigo 203 da CF: “a. plenos desenvolvimento da pessoa; b. seu preparo para o exercício da cidadania; e c. sua qualificação para o trabalho”.

Ora, isso pode muito bem ser cumprido pelos pais em seus lares se eles tiverem condição e disposição para tal. Eles, da mesma forma, podem optar por cumprir isso enviando-os para uma instituição escolar, que é o que geralmente ocorre, afinal, é o mais prático considerando os estilos de vida de hoje. Essa é a posição majoritária. Entretanto, não podemos nos esquecer da minoria que não quer delegar essa atribuição a nenhuma escola, fazendo por si mesma o que sempre foi, no decorrer da História, papel da família. ” Em qualquer democracia constitucional, essa minoria, como qualquer outra, deve ser respeitada, com base no pluralismo político (CF, art. 1°, V) e, mais especificamente, no “pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas” (CF, art. 206, III), um dos princípios fundamentais do ensino”.

No mundo jurídico, essa questão de delegação envolve precedência de hierarquia e temos por certo, antropológica, política e historicamente que a família tem precedência sobre o Estado, sendo este um auxílio para as famílias, devendo apoiá-las enquanto elas tiverem forças para prover as necessidades básicas de seus membros. Sendo assim, com relação ao parágrafo 3 do artigo 208, o Estado precisa cobrar a frequência escolar daqueles que não optam pelo homeschooling.

Como escreveu Alexandre Magno, “Em síntese: constitucionalmente, a educação domiciliar é um dever da família, que perde boa parte do sentido de sua existência se não provê-la para seus membros mais frágeis. Também é um direito individual dos pais, que somente deixarão de exercê-lo se não puderem ou não quiserem.”

Em breve, mais artigos sobre essa questão aqui no blog. Meu muito obrigado ao senhor Alexandre Magno, por sua excelente contribuição à causa do Homeschooling. Esse texto, inclusive, foi baseado em seu artigo “A situação jurídica do ensino domiciliar no Brasil”, disponível em: aned.org.br.

¹- Declaração Universal dos Direitos Humanos

²- Código Civil

³- Constituição Federal

GHEC 2016 – Educação domiciliar: É um direito! – Textus Inversus

Um texto maravilhoso de uma amiga do blog, Gabriela Costa. Obrigada por sua contribuição sobre a Global Home Education Conference 2016! 😀

“Eu não fui para a escola. Ficar em casa com os pais não significa ficar preso dentro em casa, mas ir para o mundo com sua diferença.” André Stern

Nos dias 8 a 12 de março, foi realizada no Rio de Janeiro, Brasil, a 2ª Conferência Global de Educação Domiciliar (Global Home Education Conference – GHEC 2016).

A primeira conferência global ocorreu em 2012, em Berlim, na Alemanha, e a próxima…tudo indica que  acontecerá, em 2018, em terras russas (…)

Uma das histórias que passo a contar nos traz a vida de um casal com seus lindos seis filhos. No entanto, após o nascimento do quarto filho, o pai daquela família, digna de um porta-retrato americano, foi diagnosticado com uma doença degenerativa. Em fotos, a mãe compartilhava conosco o crescimento dos filhos, a debilidade progressiva do marido e a continuidade integral do homeschooling, incluindo em seu “currículo” os cuidados diários dos filhos com seu pai, que depois de alguns anos veio a falecer deixando como fruto do seu lindo trabalho seis maravilhosas sementes. Antes de cidadãos, aquela família preocupou-se em moldar em seus filhos o caráter cristão, desenvolvendo neles o serviço ao próximo.

Leia mais em: GHEC 2016 – Educação domiciliar: É um direito!

Educação domiciliar: que papo é esse?

homeschool

Educação domiciliar também é, muitas vezes, chamada pelo termo em inglês Homeschooling. Mas o que isso significa?
Em primeiro lugar se faz necessário entender que o Homeschooling é uma realidade em vários países do mundo, como Estados Unidos, Áustria, Bélgica, Canadá, Austrália, França, Noruega, Portugal, Rússia, Itália, Nova Zelândia, dentre outros. Aqui no Brasil esse movimento tem crescido bem rapidamente: em 2010, quando a Associação Nacional de Educação Domiciliar (ANED) foi criada, havia cerca de 800 famílias envolvidas na área. Hoje, já são 4 mil, segundo pesquisa de fevereiro de 2016.

Ressalva feita, vamos ao que interessa: o que é esse tal de Homeschooling? Em primeiro lugar, quando falamos disso estamos falando de uma modalidade de educação, onde os principais responsáveis pelo processo de aprendizagem são os próprios pais da criança e o ambiente da educação não é uma instituição (a escola), mas o seio familiar.

Quando dizemos que o Homeschooling supõe não matricular os filhos na escola, pessoas podem dizer: “ah, então a criança fica trancada dentro de casa?”. Não, ela não fica. Há um mundo de conhecimento em museus, parques, centros culturais, no parquinho, na casa da avó, na casa do amiguinho, em uma viagem, etc. Seio familiar é tão somente o não delegar a educação a nenhuma instituição, o que não significa se restringir à sua própria casa 365 dias por ano.

“Mas, Isabela, como os pais podem ensinar seus filhos se eles não fizeram Pedagogia?”. Bom, primeiro preciso dizer que a habilidade para ensinar não está restrita a quem cursa Pedagogia ou similares. Em segundo lugar é necessário saber da infinidade de recursos disponíveis, gratuitamente, na Internet – lembrando que não existem só Facebook e Instagram na rede! Como um dos milhares de exemplos há o Khan Academy, ONG educacional com mais de 3800 vídeos de matemática, física, finanças, astronomia, dentre outras matérias. Em outro post falarei sobre dicas de sites e materiais.

Homeschooling, portanto, é uma alternativa à escola, onde os filhos aprendem supervisionados por seus pais (às vezes se faz a opção de contratar um professor particular para ensinar alguma matéria). Também podem ser aplicados vários métodos, desde o ‘Tradicional’, segundo os Padrões Curriculares Nacionais até o Método Clássico.

Vejam os três princípios fundamentais da educação, segundo a Doutrina Europeia:

  1. Liberdade de educação: não pode ser imposto um método, uma pedagogia ou uma instituição para realizar a educação. Cada pessoa e cada família deve ter a máxima liberdade possível para escolher como será realizada a educação.
  2. In loco parentis: a educação é sempre dada pelos pais ou por pessoas que atuam em nome deles. Caso os pais decidam matricular os filhos na escola, esta deve atuar sempre em nome deles e nos termos por eles definidos. Nem o Estado nem a escola tem autonomia para determinar como as crianças devem ser educadas.
  3. Regulação mínima: o Estado somente pode exigir o cumprimento do núcleo essencial do processo educacional – a princípio, leitura, escrita, aritmética e noções básicas de cidadania. O Estado não pode exigir das famílias e das escolas privadas um nível maior do que consegue prover por meio das escolas públicas.

(extraído da página de Alexandre Magno, procurador do Banco Central do Brasil e da diretoria da ANED).

Os pais homeschoolers lutam pela liberdade e pelo direito de escolher a melhor maneira de educar os seus filhos. Querem exercer aquilo que é um direito humano inalienável: direito de educar seus filhos em casa. O assunto é extenso e não foi encerrado. É apenas uma introdução, uma ideia desse movimento que tem crescido no Brasil.

fonte: http://www.aned.org.br/portal/ e Alexandre Magno (página pessoal do Facebook)

 

Bem vindas!

 

Olá! familiaDeixa eu te fazer uma pergunta: Qual é a sua herança? Dinheiro, casas, carros, bens materiais? Conhecimento? Cultura? Bom, se olharmos para o Salmo 127.3, vemos a resposta: “Herança do SENHOR são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão”. São eles nossa herança, herança eterna. Sendo assim, e utilizando a Herança Reformada como guia, no intuito de contribuir para a edificação dos crentes no Brasil, surgiu a ideia de criar esse espaço.

Este será um espaço para compartilhar textos sobre vida e educação cristãs. Trataremos mais especificamente de assuntos do âmbito feminino, mas se você é homem é muito bem vindo também! Além disso, esse espaço será dedicado a assuntos concernentes à Educação Domiciliar, a partir da herança Protestante Reformada. Temos muito a aprender nesse aspecto aqui no nosso país.

Soli Deo Gloria.